O jejum intermitente é uma técnica de emagrecimento que, basicamente, intercala períodos de jejum com outros de alimentação. Porém, um estudo da Universidade do Sul da Califórnia, nos Estados Unidos, observou que esse método é capaz de restabelecer as funções de um pâncreas que foi prejudicado pelo diabetes.

Em testes, os pesquisadores observaram que, ao regenerar o órgão, responsável por controlar a taxa de açúcar no corpo, os sintomas do diabetes eram extinguidos.

Os pesquisadores apontam que a dieta é capaz de renovar o corpo, com forte potencial de se tornar um novo tratamento para o diabetes

Porém, os estudiosos destacam que ninguém deve tentar o método sem passar pela orientação de um médico. Para os testes, os pesquisadores submeteram ratos a um tipo de regime parecido com o jejum intermitente durante cinco dias.

A alimentação era baseada em opções com poucas calorias, poucas proteínas, baixos carboidratos e ricas em gordura insaturada, como azeite de oliva, óleo de milho e de canola, castanha do Pará, amêndoa, salmão, sementes de linhaça e abacate, por exemplo. Após esse período, os animais foram observados por mais 25 dias, com uma dieta sem restrições.

regeneração celular no pâncreas das cobaias foi observada nas células beta, que detectam o açúcar no sangue, liberando insulina conforme a necessidade. Os resultados da pesquisa foram satisfatórios para diabetes do tipo 1 e para o tipo 2.

“Em termos médicos, estas descobertas são potencialmente muito importantes porque mostramos – em modelos com ratos – que se pode usar a dieta para reverter os sintomas da diabete”, diz Valter Longo, um dos participantes do estudo, à BBC.
Ajude seus amigos, compartilhe saúde!